Apenas um olhar sobre Parada de Gonta. Uma visão da realidade de ontem, de hoje, de sempre. A Aldeia que foi musa do Poeta, dos Poetas, Tomás Ribeiro, Branca de Gonta Colaço, Rodrigo de Melo...e berço de muitos artistas!
Sábado, 28 de Maio de 2005
PARADA DE GONTA, 121 ANOS DE FREGUESIA. PARABÉNS!

bandeira de  parada de gonta.jpgbrasao da freguesia de parada de gonta.jpg

29 de Maio de 2005, Parada de Gonta faz 121 anos, como Freguesia.

Adquiriu esse estatuto no ano de 1884.


A nossa Homenagem a quantos contribuíram para que a “Fresca Aldeia Formosa” tenha, ainda hoje, esta beleza natural e o calor das suas gentes simples, hospitaleiras e solidárias!

Correio Casa onde nasceu Tomas Ribeiro.JPG

Tomas Ribeiro Lapide comemorativa.JPG

É uma pena que este bonito painel de Jorge Colaço, mantenha errado o ano de nascimento do Poeta (1834 em vez de 1831). Parece-nos ser uma boa altura para se proceder à sua rectificação, tanto mais que a Junta de Freguesia adquiriu, recentemente, o imóvel e instalou ali a sua Sede!



publicado por paradadegonta às 01:02
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Sábado, 21 de Maio de 2005
PARADADEGONTA RECONHECE O TALENTO...
Porque é justo reconhecer o valor de quantos, com as suas capacidades próprias e o seu valor, conseguem proporcionar momentos e situações capazes de contribuir para uma VIDA melhor, para uma ALDEIA mais acolhedora…para que o DIA a DIA seja mais SERENO, mais ALEGRE, mais JUSTO, mais FRATERNO, MAIS, MAIS…, vamos criar aqui este espaço no qual realçaremos os talentos que vão surgindo nesta “Aldeia Formosa”.


ana teresa.jpgPorque nos parece um reconhecimento unânime, começamos com o tributo ao talento das jovens:
ANA TERESA; CELINA; MONICA; SANDRA; VIRGINIA.


sandra.cenas da vida real.JPG



Rendemo-nos às suas capacidades de representação. O palco começa a ser um espaço que elas dominam com mestria.
Cada vez que o pisam, o TALENTO evidencia-se nas enormes capacidades que possuem como VERDADEIRAS PROMESSAS DO TEATRO!

monica e ana teresa.cenas da aldeia.jpgcenas da aldeia.jpgana teresa e monica.cenas da aldeia.jpg

celina.ana teresa.JPGcelina.Poeta.JPG


celina e sandra.JPG

ana teresa.sandra.virginia e celina.JPG


Paradadegonta, reconhece e agradece o vosso Talento desejando que o Teatro reconheça o potencial que possuem!


Alguma fotos foram “pescadas” do Arte Por Um Canudo”obg.Ag.!



publicado por paradadegonta às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Domingo, 8 de Maio de 2005
Fábrica de Lanifícios. 100 Anos de Desenvolvimento!

fabrica de lanificios.operarios.1955.jpg

A Fábrica de Lanifícios em Parada de Gonta, é hoje um monte de ruínas à beira-rio plantado. Outrora, motor de desenvolvimento na Freguesia, foi ao longo de muitos anos alimento para muitos Paradenses que ali trabalhavam produzindo diversos tipos de tecido, cobertores e várias peças de vestuário, que seguiam para as grandes cidades do País e estrangeiro.

Construída em 1870 em terras de Tomás Ribeiro aproveitando uma queda de água com potencialidades para gerar a força capaz de possibilitar o funcionamento da maquinaria necessária, viveu tempos de grande sucesso comercial através da gestão dos seus proprietários Syder & D’olne. Cristina de Gonta Colaço, filha da Poetisa Branca de Gonta Colaço, refere na “Folha de Tondela” que o seu avô Tomás Ribeiro perante um certo declínio da então Fábrica de Lanifícios, «…fez com que Joe Syder, irmão de Ann Charlotte Syder (Mãe de Branca de Gonta e Irene de Gonta) fosse morar por uns tempos em Parada para ajudar a que a fábrica de tecelagem (…) se reorganizasse e voltasse a ser próspera. Refere ainda que aquele seu «Tio-avô Syder era muito entendido em fabrico de tecelagens (…), que gostou imenso de viver em Parada e que até se apaixonou por uma linda menina da aldeia de quem teve cinco filhos: - Cármen, Carlos, José (o Zeca) e Aninhas. Todos tiveram filhos (menos a minha muito querida prima Maria Syder Hubert Dias, que faleceu no ano passado com grande pena minha e de todos quantos a conheciam.».

No ano de 1894, a Fábrica de Lanifícios tinha as seguintes características: - A fachada da frente possuía três andares e as laterais dois, num edifício com 60 metros de comprimento e 22 de largura. Uma enorme roda hidráulica com 2,50m de largura e 9 m de diâmetro, alimentava a força motriz produzida pela corrente de água que para ali era desviada do Rio Pavia, num potencial de força equivalente a 50 cavalos. Uma máquina a vapor, de 30 cavalos de força, era utilizada para fornecer vapor às máquinas da casa do acabamento e montada de forma que no caso de estiagem pudesse substituir ou auxiliar a roda hidráulica.
fabrica.logotipo.anos70.jpg
No primeiro pavimento ficava o armazém da matéria-prima, o do fiado e a casa do acabamento, na qual se podiam admirar outras interessantes maquinas, das quais a mais importante era a que cremos chamar-se ramula, que servia para dar à fazenda a largura desejada, bem como para a secar completamente depois do piso, lavagem, passagem pelas prensas a vapor, etc. No segundo pavimento, um vasto salão de 45 metros de comprimento por 22 de largo, estavam colocadas 2 fiações de 400 fusos, 15 teares mecânicos, 25 teares manuais, 1 escolhedeira, 3 maquinas de retorcer fio, urdideiras e outros aparelhos acessórios. O terceiro pavimento destinava-se a armazém para depósito de fazendas em via de acabamento para inspecção, escritórios e salas de atendimento. A sua produção, na época, tinha saída imediata.Quem a visitava apenas via armazenado meia dúzia de xales, cobertores e outras poucas peças que serviam de amostras. Os seus produtos destinavam-se a Lisboa e Porto, especialmente à Casa Grandella e Grandes Armazéns Hermínios. Trabalhavam ali, diariamente, cerca de cem pessoas de ambos os sexos.

Em meados do século passado, a Fábrica de Lanifícios passou para a família “Videira” que detinha outra do mesmo ramo no Portodinho (Stª Ovaia de Cima). Em 1975, já nas mãos dos herdeiros – família Correia Teles, um incêndio destruiu esta indústria de Lanifícios, não mais sendo recuperada. Possui, actualmente, novos proprietários, desconhecendo-se qual o destino que pretendem dar-lhe.

"Folha de Tondela” de 08.06.1984
Jornal “A Folha” de 05.06. 1894


publicado por paradadegonta às 01:58
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

Domingo, 1 de Maio de 2005
...
Quisemos homenagear as MÃES de Parada de Gonta, especialmente as que já construíram a história desta Terra, através do sentir poético de Branca de Gonta Colaço.

Oh minha Mãe…Que longo apartamento
Após tão cerceada companhia!
Amor que em teus desvelos me sorria,
Quão cedo se apagou no afastamento!

Seguindo vou teu brando ensinamento
Enquanto sigo a estrela que me guia;
Não com o zelo, talvez, com que devia…
Porém…Conforme o exige o sentimento.

E fiz-me «forte», como vês…ao pranto,
Desde que te perdi prefiro o canto;
Pois da existência no revolto mar.

Tanto me falta o meu macio encosto,
Que vão crescendo as ondas do desgosto…
E eu vou desaprendendo de chorar.

Colaço, B.G. – Hora da Sesta, Lisboa, 1919


publicado por paradadegonta às 23:09
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

mais sobre mim
arquivos

Março 2017

Janeiro 2017

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

posts recentes

Assim nasce uma nova era....

Imagens que fazem a histó...

...

PARADA DE GONTA, SEMPRE!

E, por fim, TONDELA!

LEMBRANDO...

(...6) Em SINES e...

(...5) Em Carnaxide!

(...4) Em Coimbra!

Parada de Gonta,Terra de ...

(…3) Em Reguengos de Mons...

GILBERTO AMARAL. Casament...

(...2) Na Serra!

Parada de Gonta, pelo Paí...

Dos EUA a PARADA de GONTA...

...

PERCURSOS PEDESTRES!

PÁSCOA DE HOJE. PÁSCOA DE...

ESTAMOS EM TRABALHOS DE M...

MANUEL VIEGAS. Um Coração...

SIMBOLOS DE OUTROS TEMPOS...

A PRIMAVERA ENTROU POR AQ...

CORES DA NATUREZA. PERFUM...

PARADA DE GONTA EM FESTA ...

RODRIGO EMILIO.Poeta de P...

O CICLO DA BROA.

PARADA de GONTA. Continua...

NATAL de PARADA de GONTA!

FESTA À N.ª Srª da CONCEI...

CASAS DA ALDEIA!

Parada de Gonta Reconhece...

PARADA DE GONTA, Arqueoló...

Lembrando Os Que Já Parti...

QUINTAS de Parada de Gont...

Escola do 1.º Ciclo, Para...

Casas Típicas da Aldeia!

ESTAÇÃO Caminhos-de-Ferro...

A Descendência Artística ...

Ainda. As Noites da Aldei...

A NOITE COM ELA...

08 de Julho de 1880 - 08 ...

1 de Julho de 1831 – 1 de...

...

FONTES DA ALDEIA!

PARADA DE GONTA, 121 ANOS...

PARADADEGONTA RECONHECE O...

Fábrica de Lanifícios. 10...

...

Ainda as Festas Populares...

A convite de um Amigo...

Viagem Segura
ROMARIA
Grupo do Tacho
usatacho
...
Gilberto Amaral
Arte p 1 Canudo
Dennis Amaral
Luísredevil
Rodrigo Emilio
...
Ass.AmigosPGonta
ADRCPGonta
Escola PGonta
Sant’Ana.05
Website PGonta
...
AZORIANA geminada
(ParadadeGonta&Serreta)
IncertosMomentos
SegundaVida
Terena
Visitantes
Free Web Counter

VOCE ESTÁ AQUI
online

BOA VIAGEM...



pesquisar