Apenas um olhar sobre Parada de Gonta. Uma visão da realidade de ontem, de hoje, de sempre. A Aldeia que foi musa do Poeta, dos Poetas, Tomás Ribeiro, Branca de Gonta Colaço, Rodrigo de Melo...e berço de muitos artistas!
Sábado, 2 de Abril de 2005
Santa Ana.Festas Populares de Parada de Gonta!

Santa Ana!


Festas Populares de Parada de Gonta. Retrato de outros tempos!


terreiro.jpg


As Festas populares da Freguesia, ocorrem no 1.º fim-de-semana de Agosto. Têm já longa vida e, concerteza, uma grande história. Foram, ao longo de muitos anos, uma importante referência no mapa das festas populares da região (ainda hoje isso acontece, embora sem o brilho e a intensidade de outrora). Há umas décadas concorria mesmo, com as afamadas "Festas da Mata" de Tondela, organizadas pelos Bombeiros Voluntários, disputando muitas vezes a mesma data de realização, sem contudo sofrer qualquer revés na presença de público, sempre em grande número.


Temos ainda presente, dos tempos da nossa meninice, retratos de grandes momentos de verdadeira e envolvente festa popular. Grandiosos arraiais beirões que inundavam de cor e alegria toda a Aldeia e quantos a visitavam nesses dias.


A Fé religiosa era enaltecida no convívio salutar entre a envolvência pagã e a entrega ao mais profundo respeito e puro sentimento cristão. Em Parada de Gonta sempre se soube viver e conviver na mais genuína e salutar relação.


Numa imagem que nos leva a tempos mais remotos, trazemos aqui um artigo de A. Martinho que traduz a longevidade destes festejos e o fulgor que então acalentava esse fim-de-semana de Agosto escaldante.


 grupo musical.santa ana.jpgDesmontagem.festa santa ana.jpg  


«Ocorreu no primeiro domingo de Agosto, a que foi outrora uma das mais luzidias e concorridas romarias da Beira, a padroeira da aldeia – "Nossa Senhora Santana”.


Normalmente abrilhantada por três filarmónicas, durante três dias de festa rija, que arrastam a Parada de Gonta milhares de romeiros de terras longínquas, levados pela reputação de que gozavam os festejos da mais castiça das Terras beiroas. Eles traziam consigo o desejo incontido de observarem e intervirem, especialmente nos bailaricos que num rodopio estonteante os fazia folgar, cantar, bailar, entoando as velhas canções dos nossos avós, e dançar quer ao som dos característicos ferrinhos e viola, quer ainda aos acordes das filarmónicas, ou nos joguinhos de roda, em que os rapazes e raparigas desse tempo eram executantes exímios, cantando e bailando com brilho e saber, o que aprenderam dos seus maiores, que era afinal o que havia de mais puro em folclore regional a que davam execução e que nos maravilhava. Que saudades desse tempo em que centenas de pares, numa sincronia perfeita, dançavam com especial realce, os números que foram feitos para eles, com letra e música de gente da nossa Terra!


Tudo bailava; velhos e novos, sem discriminação social de classes, à sombra do secular castanheiro (que já não existe), no largo e campeiro Terreiro, que de grande era minúsculo para comportar tanta gente. Assistia-se à exibição faustosa dos fatos novos que nesses dias eram exibidos pelos pares de namorados que de mãos dadas, como que envergonhados, lá se encaminhavam de face cavada, para o bailarico.


Que bons e bonitos tempos eram esses d'então!


 igreja interior.jpgimagem de santa ana. padroeira.jpg


Havia na aldeia de então, famílias que ali vinham passar férias, como a família do prosador e poeta Thomaz Ribeiro Colaço (neto de Thomaz Ribeiro) e filho da mimosa poetisa Branca de Gonta, que trazia consigo pessoas amigas, artistas ou intelectuais, como Virgínia Vitorino, Maria Archer, Amélia Rey Colaço sua prima e a grande artista que todos conhecem, Ana Paula e a voz de oiro da canção desse tempo, Corina Freire.


A familia Thomaz Ribeiro de Melo, diplomata, e seu filho Rodrigo de Melo, poeta que a morte ceifou impiedosamente tão cedo, no princípio da sua vida intelectual. A família Moura Coutinho e tantos outros que o tempo apagou da memória. Estas famílias e pessoas amigas, socia1mente diferentes, porque dotados de posição e cultura diferentes, formavam no bailarico a ala dos namorados, vestindo as senhoras fatos precisamente iguais ao das raparigas, distinguindo-as apenas aqueles pormenores que distinguem uma senhora duma lavradeira, vestida com os mesmos trajes. Dançava-se e, curioso, não havia entre centenas de pessoas, problemas que obrigassem a reacções menos corteses.


Quase esquecia de salientar a procissão!

Formada por vários andores que a proficiência do senhor Paulino, davam à composição dos mesmos, uma simplicidade e uma graça, que todos admiravam.


A chanfana, é possível que seja desconhecida de muita gente, mas era realmente um prato excelente. Cozinhado no forno de pão.

O que é afinal a chanfana? Nada mais, nada menos, que para muitos a ovelha, para outros o cordeiro, que com batatas miúdas, arroz e um molho especial, era uma maravilha. Não sei se hoje ainda se faz em Parada esse prato; tudo modificou desde essa época, desde que foi separada a festa religiosa da festa pagã, ou melhor, a festa de Sant’Ana morreu com a intolerância das autoridades religiosas de então.


A festa terminava com umas canções de Corina Freire, de que apenas recordo uma, por sinal lindíssima: “Camélias”.».

Voz das Beiras de 30-8-79



publicado por paradadegonta às 14:51
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De Anónimo a 13 de Abril de 2005 às 00:14
Obrigado pela visita GETULIO e pelas palavras escritas! Quanto a Maria Archer, ela foi de facto muito amiga de Branca de Gonta Colaço, Pelo que pude ler. Os Colaço foram para o Brasil no século passado. Têm inclusivé ligações à tapeçaria brasileira. Brevemente escreverei algumas coisas que possuo sobre esta temática. Um abraço fraternal de Portugal, mais concretamente de Parada de Gonta. Visite-nos sempre! Obg.paradadegonta
(http://paradadegonta.blogs.sapo.pt)
(mailto:)


De Anónimo a 12 de Abril de 2005 às 04:11
Boa Noite
Esta página está muito linda.
Como cheguei até ela? Vasculho a internete em busca de Maria Archer que tive o raro privilégio de conhecer quando de seu exílio brasileiro. Achei seu nome na sua chamada e, depois, na sua página.
Encontrando Maria Archer na sua página, encontrei tudo que de belo foi registrado.
Cumprimentos fraternais.
Getulio GracelliGetulio Gracelli
</a>
(mailto:getulius@triang.com.br)


De Anónimo a 10 de Abril de 2005 às 01:21
Na freguesia onde nasci é no ultimo Domingo de Agosto. Saudades doutros tempos..... Beijinho*lina
(http://acordomar.blogs.sapo.pt)
(mailto:linahopes@msn.com)


De Anónimo a 4 de Abril de 2005 às 13:22
É verdade Ag.! Nem todos os documentos que aqui têm sido citados, são meus.Uma grande parte sim! Estou de acordo contigo de que devem estar à disposição de quem quiser consultar; por mim, nunca impedi, nem impedirei, que tal aconteça.Terei até muito gosto em ceder o que tenho para uma Instituição de Parada de Gonta que preserve, investigue e exponha, devidamente, tudo aquilo que fez (faz) história na nossa Terra! G abrç.paradadegonta
(http://)
(mailto:)


De Anónimo a 3 de Abril de 2005 às 00:51
Como era bela, viçosa, pacata e cheia de alegria com seu povo dançando ao som do acordeão...Parabéns Carlos tens fontes muito importantes que fazem parte já da história da aldeia.São documentos importantissimos que na minha opinião devem ser preservados e também se possivel estar ao dispor( )de quem quer consultar.Um abraço.Agostinho
(http://arteagostinho.blogs.sapo.pt)
(mailto:ag_silva@hotmail.com)


Comentar post

mais sobre mim
arquivos

Março 2017

Janeiro 2017

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

posts recentes

Assim nasce uma nova era....

Imagens que fazem a histó...

...

PARADA DE GONTA, SEMPRE!

E, por fim, TONDELA!

LEMBRANDO...

(...6) Em SINES e...

(...5) Em Carnaxide!

(...4) Em Coimbra!

Parada de Gonta,Terra de ...

(…3) Em Reguengos de Mons...

GILBERTO AMARAL. Casament...

(...2) Na Serra!

Parada de Gonta, pelo Paí...

Dos EUA a PARADA de GONTA...

...

PERCURSOS PEDESTRES!

PÁSCOA DE HOJE. PÁSCOA DE...

ESTAMOS EM TRABALHOS DE M...

MANUEL VIEGAS. Um Coração...

SIMBOLOS DE OUTROS TEMPOS...

A PRIMAVERA ENTROU POR AQ...

CORES DA NATUREZA. PERFUM...

PARADA DE GONTA EM FESTA ...

RODRIGO EMILIO.Poeta de P...

O CICLO DA BROA.

PARADA de GONTA. Continua...

NATAL de PARADA de GONTA!

FESTA À N.ª Srª da CONCEI...

CASAS DA ALDEIA!

Parada de Gonta Reconhece...

PARADA DE GONTA, Arqueoló...

Lembrando Os Que Já Parti...

QUINTAS de Parada de Gont...

Escola do 1.º Ciclo, Para...

Casas Típicas da Aldeia!

ESTAÇÃO Caminhos-de-Ferro...

A Descendência Artística ...

Ainda. As Noites da Aldei...

A NOITE COM ELA...

08 de Julho de 1880 - 08 ...

1 de Julho de 1831 – 1 de...

...

FONTES DA ALDEIA!

PARADA DE GONTA, 121 ANOS...

PARADADEGONTA RECONHECE O...

Fábrica de Lanifícios. 10...

...

Ainda as Festas Populares...

A convite de um Amigo...

Viagem Segura
ROMARIA
Grupo do Tacho
usatacho
...
Gilberto Amaral
Arte p 1 Canudo
Dennis Amaral
Luísredevil
Rodrigo Emilio
...
Ass.AmigosPGonta
ADRCPGonta
Escola PGonta
Sant’Ana.05
Website PGonta
...
AZORIANA geminada
(ParadadeGonta&Serreta)
IncertosMomentos
SegundaVida
Terena
Visitantes
Free Web Counter

VOCE ESTÁ AQUI
online

BOA VIAGEM...



pesquisar