Apenas um olhar sobre Parada de Gonta. Uma visão da realidade de ontem, de hoje, de sempre. A Aldeia que foi musa do Poeta, dos Poetas, Tomás Ribeiro, Branca de Gonta Colaço, Rodrigo de Melo...e berço de muitos artistas!
Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2006
O CICLO DA BROA.
Broa de milho!
Broa simples ou com mistura (milho, trigo, centeio), são formas apetitosas e nutritivas que datam de tempos imemoriais.
Muitas vezes símbolo de enorme pobreza, a broa de milho era o único sustento na casa do trabalhador agrícola, quando não era possível chegar a outros recheios alimentares. Cultivando o milho que mais tarde colhia e levava ao moleiro para transformar em farinha nos moinhos do Rio Pavia e Ribeira de Asnes, a população de Parada de Gonta sempre soube produzir broa de enorme qualidade.
Havia, outrora, muitos fornos comunitários onde era feito o «pão-nosso de cada dia» e aquela saborosa «bola com a sardinha» que alimentavam verdadeiras festas familiares.

Noutros tempos Parada de Gonta foi Terra de vários moleiros que chegaram a herdar, até, o nome da profissão (Manuel Moleiro; Eduardo Moleiro; António Tamanquinho; João, Russo do Vieiro; Romão; etc), e que possuíam os seus moinhos junto ao rio e, na Aldeia, o seu «troco» (local onde trocavam a farinha que moíam pelo milho de quem dela precisava).
Hoje, ainda resiste um, – António Custódio, que aproveita a força motriz da água para fazer rodar as mós que esmagam os grãos de milho transformando-os, assim, no pó que permite confeccionar a «Broa» e a «Bola» que ainda se fazem pela Aldeia.
Não no forno comunitário, que já não existe ou está degradado, mas em alguns particulares que ainda se vêm em várias habitações!

Antigo forno em estado de degradacao.jpg

1.Amassando a farinha na masseira.Ciclo da Broa.jpg 2.A cruz para que Deus abencoe o pao.Ciclo da Broa.jpg 3.Aquecendo o forno.Ciclo da Broa.jpg 4.Limpando o lar do forno com o vassoiro para receber a massa.Ciclo da Broa.jpg 5.Batendo a massa na batedeira para colocar na pa e ir ao forno.Ciclo da Broa.jpg

6.Pao e bola dentro do forno.Ciclo da Broa.jpg

7.Retirando o pao e a bola do forno.Ciclo da Broa.JPG 8.Bola de sardinha pronta a comer.Ciclo da Broa.jpg 9.Broa pronta a comer.Ciclo da Broa.jpg

Dicionário da Broa:
- Milho, cereal produzido do cultivo da terra;
- Moinho, local onde são moídos os cereais (milho, centeio) a fim de obter a farinha;
- Forno, local onde se coze o pão (tradicionalmente construído em granito, tijolo e barro);
- Masseira, recipiente de madeira, normalmente rectangular, onde era amassada a farinha;
- Batedeira, recipiente em barro, para dar forma arredondada à massa antes de ser colocada na pá para ser depositada no forno;
- Rapadoira, para rapar a massa da masseira;
- Varredoiro, vassoira com cabo comprido, para varrer o lar (piso) do forno antes de depositar ali a massa;
- Pá do forno, cabo de madeira, comprido, tendo na extremidade um utensílio em ferro espalmado de forma, normalmente redonda, onde é colocada a massa para ser transportada ao interior do forno;

«Pão e vinho põe um Homem a caminho»


Vai um pedaço de Broa e um Tinto do Dão?


publicado por paradadegonta às 22:54
link do post | favorito

De Anónimo a 10 de Fevereiro de 2006 às 17:41
Aiiiii jesus....agora é que fiquei com desejos. E logo hoje, que o jantar é mais tarde. Acho que ainda tenho uma garrafita desses lados na minha garrafeira...vou lá espreitar;) Bom fim de semana.aflores
(http://omeublog2004.blogs.sapo.pt)
(mailto:albertoflores1957@sapo.pt)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
arquivos

Março 2017

Janeiro 2017

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

posts recentes

Assim nasce uma nova era....

Imagens que fazem a histó...

...

PARADA DE GONTA, SEMPRE!

E, por fim, TONDELA!

LEMBRANDO...

(...6) Em SINES e...

(...5) Em Carnaxide!

(...4) Em Coimbra!

Parada de Gonta,Terra de ...

(…3) Em Reguengos de Mons...

GILBERTO AMARAL. Casament...

(...2) Na Serra!

Parada de Gonta, pelo Paí...

Dos EUA a PARADA de GONTA...

...

PERCURSOS PEDESTRES!

PÁSCOA DE HOJE. PÁSCOA DE...

ESTAMOS EM TRABALHOS DE M...

MANUEL VIEGAS. Um Coração...

SIMBOLOS DE OUTROS TEMPOS...

A PRIMAVERA ENTROU POR AQ...

CORES DA NATUREZA. PERFUM...

PARADA DE GONTA EM FESTA ...

RODRIGO EMILIO.Poeta de P...

O CICLO DA BROA.

PARADA de GONTA. Continua...

NATAL de PARADA de GONTA!

FESTA À N.ª Srª da CONCEI...

CASAS DA ALDEIA!

Parada de Gonta Reconhece...

PARADA DE GONTA, Arqueoló...

Lembrando Os Que Já Parti...

QUINTAS de Parada de Gont...

Escola do 1.º Ciclo, Para...

Casas Típicas da Aldeia!

ESTAÇÃO Caminhos-de-Ferro...

A Descendência Artística ...

Ainda. As Noites da Aldei...

A NOITE COM ELA...

08 de Julho de 1880 - 08 ...

1 de Julho de 1831 – 1 de...

...

FONTES DA ALDEIA!

PARADA DE GONTA, 121 ANOS...

PARADADEGONTA RECONHECE O...

Fábrica de Lanifícios. 10...

...

Ainda as Festas Populares...

A convite de um Amigo...

Viagem Segura
ROMARIA
Grupo do Tacho
usatacho
...
Gilberto Amaral
Arte p 1 Canudo
Dennis Amaral
Luísredevil
Rodrigo Emilio
...
Ass.AmigosPGonta
ADRCPGonta
Escola PGonta
Sant’Ana.05
Website PGonta
...
AZORIANA geminada
(ParadadeGonta&Serreta)
IncertosMomentos
SegundaVida
Terena
pesquisar